BEM-VINDO!

É UM GRANDE PRAZER RECEBÊ-LO!
COOPERANDO IREMOS MAIS LONGE, MAIS RÁPIDO E EM MELHORES CONDIÇÕES.
FIQUE À VONTADE. :)

quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

A arte de amar

Olá!
 
Ahhh... amor, amar, ser amado! 
Necessidade humana.
Busca constante de quem não está amando e sendo amado.
Busca que pode não ter resultado, se o ideal, não permitir que o real aconteça.

Com carinho,
            Lúcia Barros




A arte de amar
Ninguém sabe explicar
Não tem uma regra a ser seguida.
Algumas pessoas amam o que não podem ter
Outras amam somente quando passam a ter.
Uns amam o que inventam
Outros inventam algo para amar.
Alguns ainda dizem "eu te amo” sem nenhuma verdade no olhar,
Outros não falam por falta de coragem,
Ou apenas porque não podem levar adiante um amor não permitido.
Já que o amor é tão puro
Por que existem amores proibidos?
Não sei as respostas para tantas questões amorosas,
Mas sei do meu amor, de todos os meus amores!
Esses eu tenho certeza que sempre foram os mais verdadeiros sentimentos.
Por isso não quero nem procurar por respostas...
Só quero mesmo continuar sentindo e vivendo cada um dos meus amores intensamente, sem controle e sem limites.
Quero apenas continuar a viver e aprender esta arte de amar!

Se souber a autoria, é só falar!

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

Pai, tô com fome!!!



Ricardinho não agüentou o cheiro bom do pão e falou:

- Pai, tô com fome!!!

O pai, Agenor , sem ter um tostão no bolso, caminhando desde muito cedo em busca de um trabalho, olha com os olhos marejados para o filho e pede mais um pouco de paciência...

- Mas pai, desde ontem não comemos nada, eu tô com muita fome, pai!!!

Envergonhado, triste e humilhado em seu coração de pai, Agenor pede para o filho aguardar na calçada enquanto entra na padaria a sua frente...

Ao entrar dirige-se a um homem no balcão:

- Meu senhor, estou com meu filho de apenas 6 anos na porta, com muita fome, não tenho nenhum tostão, pois sai cedo para buscar um emprego e nada encontrei, eu lhe peço que em nome de Jesus me forneça um pão para que eu possa matar a fome desse menino, em troca posso varrer o chão de seu estabelecimento, lavar os pratos e copos, ou outro serviço que o senhor precisar!!!


Amaro , o dono da padaria estranha aquele homem de semblante calmo e sofrido, pedir comida em troca de trabalho e pede para que ele chame o filho...

Agenor pega o filho pela mão e apresenta-o a Amaro, que imediatamente pede que os dois sentem-se junto ao balcão, onde manda servir dois pratos de comida do famoso PF (Prato Feito) - arroz, feijão, bife e ovo...

Para Ricardinho era um sonho, comer após tantas horas na rua...

Para Agenor , uma dor a mais, já que comer aquela comida maravilhosa fazia-o lembrar-se da esposa e mais dois filhos que ficaram em casa apenas com um punhado de fubá...

Grossas lágrimas desciam dos seus olhos já na primeira garfada...

A satisfação de ver seu filho devorando aquele prato simples como se fosse um manjar dos deuses, e lembrança de sua pequena família em casa, foi demais para seu coração tão cansado de mais de 2 anos de desemprego, humilhações e necessidades...

Amaro se aproxima de Agenor e percebendo a sua emoção, brinca para relaxar:

- Ô Maria!!! Sua comida deve estar muito ruim... Olha o meu amigo está até chorando de tristeza desse bife, será que é sola de sapato?!?!

Imediatamente, Agenor sorri e diz que nunca comeu comida tão apetitosa, e que agradecia a Deus por ter esse prazer...

Amaro pede então que ele sossegue seu coração, que almoçasse em paz e depois conversariam sobre trabalho....

Mais confiante, Agenor enxuga as lágrimas e começa a almoçar, já que sua fome já estava nas costas...

Após o almoço, Amaro convida Agenor para uma conversa nos fundos da padaria, onde havia um pequeno escritório...

Agenor conta então que há mais de 2 anos havia perdido o emprego e desde então, sem uma especialidade profissional, sem estudos, ele estava vivendo de
pequenos 'biscates aqui e acolá', mas que há 2 meses não recebia nada...

Amaro resolve então contratar Agenor para serviços gerais na padaria, e penalizado, faz para o homem uma cesta básica com alimentos para pelo menos 15 dias...

Agenor com lágrimas nos olhos agradece a confiança daquele homem e marca para o dia seguinte seu início no trabalho...

Ao chegar em casa com toda aquela 'fartura', Agenor é um novo homem sentia esperanças, sentia que sua vida iria tomar novo impulso...

Deus estava lhe abrindo mais do que uma porta, era toda uma esperança de dias melhores...

No dia seguinte, às 5 da manhã, Agenor estava na porta da padaria ansioso para iniciar seu novo trabalho...

Amaro chega logo em seguida e sorri para aquele homem que nem ele sabia porque estava ajudando...

Tinham a mesma idade, 32 anos, e histórias diferentes, mas algo dentro dele

chamava-o para ajudar aquela pessoa...
E, ele não se enganou - durante um ano, Agenor foi o mais dedicado trabalhador daquele estabelecimento, sempre honesto e extremamente zeloso com seus deveres...

Um dia, Amaro chama Agenor para uma conversa e fala da escola que abriu vagas para a alfabetização de adultos um quarteirão acima da padaria, e que ele fazia questão que Agenor fosse estudar...

Agenor nunca esqueceu seu primeiro dia de aula: a mão trêmula nas primeiras letras e a emoção da primeira carta...

Doze anos se passam desde aquele primeiro dia de aula...

Vamos encontrar o Dr. Agenor Baptista de Medeiros , advogado, abrindo seu escritório para seu cliente, e depois outro, e depois mais outro...

Ao meio dia ele desce para um café na padaria do amigo Amaro, que fica impressionado em ver o 'antigo funcionário' tão elegante em seu primeiro terno...
Mais dez anos se passam, e agora o Dr. Agenor Baptista, já com uma clientela que mistura os mais necessitados que não podem pagar, e os mais abastados que o pagam muito bem, resolve criar uma Instituição que oferece aos desvalidos da sorte, que andam pelas ruas, pessoas desempregadas e carentes de todos os tipos, um prato de comida diariamente na hora do almoço...


Mais de 200 refeições são servidas diariamente naquele lugar que é administrado pelo seu filho , o agora nutricionista Ricardo Baptista...

Tudo mudou, tudo passou, mas a amizade daqueles dois homens, Amaro e Agenor impressionava a todos que conheciam um pouco da história de cada um...

Contam que aos 82 anos os dois faleceram no mesmo dia, quase que a mesma hora, morrendo placidamente com um sorriso de dever cumprido...
Ricardinho , o filho mandou gravar na frente da 'Casa do Caminho', que seu pai fundou com tanto carinho:

'Um dia eu tive fome, e você me alimentou. Um dia eu estava sem esperanças e você me deu um caminho. Um dia acordei sozinho, e você me deu Deus, e isso não tem preço. Que Deus habite em seu coração e alimente sua alma. E, que te sobre o pão da misericórdia para estender a quem precisar!!!'

(História verídica)

Se acharem que vale a pena repassem, pois nunca é tarde para começar e sempre é cedo para parar!!!



Com carinho, 

                                    Lúcia Barros



terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

Mineirês!

Diiiaaa!!!
Se ocê consegui intendê, tá bão no mineirês.

Este foi minha querida Rosilene Rosa quem me enviou por email.
Beijim Rosilene.
Beijim, com carim, procês tudim tamém uaaaiiii!!! rsrsrs  


Ispía só qui trem engraçadimais!

Prestenção...

 DICIONÁRIO MINERÊS/PORTUGUÊS



PRESTENÇÃO - é quano eu tô falano iocê num tá ovino
CADIQUÊ? - assim, tentanu intendê o motivo.
CADIM - é quano eu num quero muito, só um poquim
DEU - o mez qui 'di mim'. Ex.: Larga deu, sô!
SÔ - fim de quarqué frase. Qué exêmpro tamem? : Cuidadaí, sô !!
DÓ - o mez qui 'pena', 'cumpaxão' : 'ai qui dó, gentch...!!'
NIMIM - o mez qui in eu. Exempro: Nòoo, ce vivi garrado nimim, trem!...
 Larga deu, sô!!...
NÓOO - Num tem nada a vê cum laço pertado, não! Omez qui =nossa!..' Vem de
Nòoosinhora!...
PELEJANU - omez qui tentanu: Tô pelejanu quesse diacho né di hoje, qui nó!
&(agora é nó mez!)
 MINERIM - Nativo duistadiminnss.

UAI - Uai é uai, sô... Uai!
ÉMÊZZZ?! - minerim querêno cunfirmá.
NÉMÊZZZ?! - minerim querêno sabê si ocê concorda.
OIAQUI - Minerim tentano chama atenção pralguma coizz...
PÃO DI QUEJU - Iosscêis sabe!... Cumida fundamentar qui disputa com o tutu a
 preferêca dus minêro
 TUTU - Mistura de farinha di mandioca (o di mio) cum fejão massadim. bom
dimais da conta, gentch!!..
TREIM - Qué dize quarqué coizz qui um minerim quizé! Ex: "Já lavei US Trem!"
"Qui trem bão!!"
NNN - Gerúndio du minreis. Ex: 'Eles tão brincannn', 'Cê tá innn, eu tô
vinnn...'
PÓ PÔ - umez qui pó colocá
POQUIM - só um poquim, pra num gastá muito
JISGIFORA - Cidadi pertin du Ridijanero. Cunfunde a cabeça do minerim que si
 acha qui é carioca.
DEUSDE - desde. Ex: 'Eu sô magrelin deusde rapazin!'
ISPÍA - nome da popular revista 'VEJA'
ARREDA - verbu na form imperativ (danu órdi), paricido cum saí.
'Arredaí, sô!'
"IM" - diminutivo. Ex: lugarzim, piquininim, vistidim, etc.
DENDAPIA - Dentro da pia.
TRADAPORTA - Atrás da porta.
BADACAMA - Debaixo da cama.
PINCOMÉ - Pinga com mel.
ISCODIDENTE - Escova de dente.
PONDIÔNS - Ponto de ônibus.
SAPASSADO - Sábado passado.
VIDIPERFUME - Vidru de perfume.
OIPROCÊVÊ (ou OPCV) - óia procê vê
TISSDAÍ - Tira ISSO daí.
CAZOPÔ - Caixa disopor.
ISTURDIA - Otru dia.
PROINOSTOINO? - pronde nós tamo inu?
CÊSSÁ SÊSSE ONS PASSNASSAVASS? - ocê sabe se esse ônibus passa =a Savassi?

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

Ouvir os clientes Pra relaaxaarrr

 
Olá!

Nada de ficar Casmurro!
Umas boas risadas para desestressar e ficar bem!
Com um sorriso iluminado.

Esta foi o Matoso que me enviou também, obrigada!

Com carinho,
                               Lúcia Barros


Ouvir os clientes
 
No aeroporto, o pessoal estava na sala de espera aguardando a chamada para embarcar. Nisso aparece o Co-piloto, todo uniformizado, de óculos escuros e de bengala, tateando pelo caminho. A atendente da companhia o encaminha até o avião e assim que volta, explica que, apesar dele ser cego, é o melhor Co-piloto da companhia.

Alguns minutos depois, chega outro funcionário também uniformizado, de óculos escuros, de bengala branca e amparado por duas aeromoças.


A atendente mais uma vez informa que, apesar dele ser cego, é o melhor piloto da empresa e, tanto ele quanto o Co-piloto, fazem a melhor dupla da companhia.


Todos os passageiros embarcam no avião preocupados com os pilotos.


O comandante avisa que o avião vai levantar vôo e começa a correr pela pista, cada vez com mais velocidade.. Todos os passageiros se olham, suando, com muito medo da situação. O avião vai aumentando a velocidade e nada de levantar vôo. A pista está quase acabando e nada do avião sair do chão. Todos começam a ficar cada vez mais preocupados. O avião correndo e a pista acabando. O desespero toma conta de todo mundo.


Começa uma gritaria histérica no avião.


Nesse exato momento o avião decola, ganhando o céu e subindo suavemente.

O piloto vira para o Co-piloto e diz:


- Se algum dia o pessoal não gritar, a gente tá lascado!!!!!!


Moral: OUVIR OS CLIENTES É FUNDAMENTAL!!!

domingo, 24 de fevereiro de 2013

Feliz Agora.

Olá!

Sou privilegiada!
Por muitos e variados motivos. 
Dentre eles, os amigos que me presenteiam com poesias lindas, nos posts. 
Estou compartilhando hoje, esta que é do é do meu amigo +Walter Leite Castro, que ama filosofiae tem a
comunidade filosófica de Sócrates a Sartre.
Obrigada Castro, abraçoo para você!

Com carinho,
                           Lúcia Barros  



Meu amigo +Walter Leite Castro 

Feliz Agora

Walter Leite Castro




Vida, vir  a ser!
É um recompor-se!
É um findar agora!
Quando se quer continuar!
É um eterno agarrar!
Por medo  do findar!
Tudo se desgasta, tudo passa!
 Mas eu quero ficar , tudo perpetuar!
 Assim surge o medo ,a dor, o caos!
 Choro, rezo, imploro, busco o devir!
 Em vão,nada acontece, tudo se rasga, se perde!
 Só quando aceito o caos, a dor, o rasgar, que eu sou!
 Sou feliz, agora,sem amanhã.
 

Milagre! Pra Relaxaarrr

Oiii

Rir sempre faz bem! 
Esta foi a moreninha linda, Daiane, que me enviou por email.
Obrigada linda, beijim! 
Bjbj! :))





Um menino de 15 anos de idade e seu pai entraram pela primeira vez em um shopping.
Ficaram maravilhados com quase tudo o que viam, especialmente por duas brilhantes paredes de prata que abriam e fechavam.

O menino indagou: "O que é isto, pai?"

O pai (que nunca tinha visto um elevador) respondeu: 'Filho, eu nunca vi nada parecido em minha vida, não sei o que é. "

Enquanto os dois assistiam perplexos, uma senhora idosa e gorda  aproximou-se das portas em sua cadeira de rodas e apertou um botão. As portas se abriram e a senhora rolou entre elas e adentrou num quarto pequeno. As portas se fecharam e o menino e o pai observavam que  números acima das portas acendiam em ordem crescente. 
Perceberam que os números chegaram a um limite e depois de segundos o painel  indicava os mesmos números em ordem inversa, até que as portas voltaram a se abrir e uma Loira FENOMENAL aparentado uns 24 anos saiu daquele  quartinho.

O pai entusiamado disse  ao seu filho .....

"Vá buscar sua mãe A G O R A A A A "

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

Depressão. Onde está?

Olá!

É tudo tão corrido o tempo todo, que às vezes não prestamos atenção em algumas coisinhas que vão ficando diferentes, em nós mesmos, e em quem nos cerca e amamos.
É bom ser visto, tocado, sentido.  
Precisamos disto! 
Necessidade humana.
Precisamos oferecer isto!
Se se tem, fica mais fácil ofertar.  
Não é necessário concordar na íntegra com o texto, para que seja útil. 
Afinal somos indivíduos, e, coisa boa, ninguém concorda cem por cento com ninguém. Marca da individualidade. 

Recebi por email do amigo wellington Matoso.
Obrigada amigo, abraço! 

Com carinho,
                     Lúcia Barros 


Trabalho lindo do amigo +Emerson Rodrigues 
 
 


Depressão. Onde está?

 Christiane Valiceli




Eu era uma mesa novinha. Bonita. 
Feita pelas mãos do melhor carpinteiro do mundo... 
Fui entalhada com amor, com matéria prima de qualidade. 
Nasci forte. 
Meus detalhes foram esculpidos com sentimento, 
com o carinho das mãos do meu pai. 
Não há outra mesa como eu em toda Terra. 
Participei de bons momentos. Ajudei muito. 
Estive presente nos tempos de alegria e nos tempos de 
dificuldade. Sempre firme, segurando tudo e a todos. 
Jamais rejeitei uma carga, mesmo 
que estivesse acima da minha capacidade... 
Quanto significado tive na vida dos que me rodeiam!
Participei do progresso, da luta. 
Recebi lágrimas e risos. 
Sempre me doei e sei que se não estivesse ali, 
faria muita falta.

Mas, como sempre estava, quase nunca era notada. 
E assim transcorreu minha vida. 
Como a vida da maioria das mesas: 
sempre muito participante, cooperando, mas sem reclamar muitos cuidados. Afinal a função da mesa é servir. Mas o tempo passou, e com ele, e a falta de cuidado, fui me desgastando. Minhas quinas um pouco rachadas tornaram-se ásperas. Às vezes, acabava ferindo alguém, mas não era de propósito. Talvez, se tivessem me restaurado no início, eu voltasse a ser bela e útil como antes. Mas a vida é tão corrida e não há tempo a perder com restaurações... Mesmo apesar do 
trabalho consertá-la, 
desgaste, do mau uso e da falta de cuidado, prossegui em minha missão, doando o melhor de mim. As pessoas ao redor acostumaram-se com minhas arestas e, para evitar um ferimento, desviavam-se de mim. Quando necessitavam, chegavam com cautela para que não houvesse atrito entre nós. Apesar do meu esforço em resistir, pude perceber que algo me roía por dentro. Já não tinha a mesma força de antes. Sentia minhas pernas fraquejarem ao menor peso. Meu tampão antes tão belo e forte, agora cheio de manchas e rabiscos, parecia afundar em si mesmo. Senti medo, pois não sabia o que estava acontecendo, mas ainda queria servir e estar presente. Um dia, quase sem perceber, desmoronei. O peso era pequeno, mas para mim parecia uma tonelada! Quebrei o que estava sobre mim e também algumas coisas à minha volta. Feri os que eu mais amava, pois estavam mais próximos na hora da queda. Todos me olharam com espanto, alguns com indignação, outros com raiva. 
Ninguém esperava aquilo. Nem eu. Mas já havia sido devorada, em meu interior, por bichinhos rápidos e silenciosos chamados “cupins”. Os cupins costumam deixar uma “sujeirinha”, mas a pressa, às vezes, nos impede de parar e socorrer a mesa antes que ela desabe. Afinal ela ainda está servindo para a sua finalidade... Sabe, amiga, esse cupim se chama DEPRESSÃO. A mesa sou eu. A mesa é você. É sua mãe que lhe importuna. É seu avô que reclama demais. É seu filho rebelde. É seu namorado ciumento e estressado. O marido ausente e pessimista. Relendo a história da mesa, você poderá considerar sua própria vida, e a vida daqueles que a cercam. Estamos caminhando para o mesmo fim? Eu lhe digo. 

Mesmo que sua mesa tenha caído, mesmo que ela tenha quebrado muitas coisas e pareça imprestável; mesmo que vá dar muito 

CONSERTE-A! 
Não descarte seus pais, seus filhos, seu cônjuge, seus amigos. 
Não descarte a si mesma! 
É possível a restauração! 
A pessoa deprimida é aquela que doou tudo de si, que esvaziou-se por completo para alcançar algo que ela considerava um bem... 
A pessoa deprimida precisa de companhia. 
Alguém que ajude a encontrar o melhor material 
para preencher os vazios que a depressão causou. 
Que ajude a aparar as arestas. 
Alguém que a queira nova outra vez. 
Se, para todo bem, há uma participação Divina, 
Deus neste momento está providenciando o necessário para que você encontre forças e alternativas para ajudar. Se você está em depressão, erga os olhos. 
A ajuda vem do alto. 
Mas também vem dos lados: de um abraço, uma conversa, uma carta, um e-mail. 
Lembre-se de que, para Deus, tudo é possível. É POSSÍVEL SER UMA MESA NOVA! 
“A depressão é uma travessia. Ela pode durar muito ou pouco. Mas, em qualquer das hipóteses, fica mais fácil na companhia de Deus, da família,e dos amigos verdadeiros. Confie! 


Christiane Valiceli

Trabalho lindo do amigo +Emerson Rodrigues 

Gestão de Resultados Pra Relaxaarrrr

Ooiiii...
Para rir um pouco, que faz um bem enorme!
Resultados!
Tudo que importa!
Mas será mesmo!?

Esta piada ótima, foi meu amigo +Rodrigo Mariano , que me enviou por email.
Rô, abraço grande, amigo.


Com carinho,
                         Lúcia Barros





Gestão de Resultados.
Em uma cidade do interior, viviam duas mulheres chamadas Flávia.
 Uma era freira e a outra, taxista.
 Quis o destino que morressem no mesmo dia.
 Quando chegaram ao céu, São Pedro esperava-as.
 - O teu nome?
 - Flávia
 - A freira?
 - Não, a taxista.
 São Pedro consulta as suas notas e diz:
 - Bem, ganhastes o paraíso. Leva esta túnica com fios de ouro. Podes entrar.
 A seguir...
 - O teu nome?
 - Flávia
 - A freira?
 - Eu mesma.
 - Bem, ganhaste o paraíso... Leva esta túnica de linho. Entra.
 A religiosa diz:
 - Desculpa, mas deve haver engano. Eu sou Flávia, a freira!
 - Sei, minha filha, ganhaste o paraíso. Leva a túnica de linho...
 - Não pode ser! Eu conheço a outra Flávia, São Pedro. Era taxista,
 vivia na minha cidade e era um desastre! Subia nas calçadas, batia com o
 carro todos os dias, conduzia pessimamente e assustava as pessoas.
 Nunca mudou, apesar das multas e repreensões policiais. Já eu passei 65
 anos pregando todos os domingos na paróquia. Como é que ela recebe a
 túnica com fios de ouro e eu esta?
 - Não há nenhum engano - diz São Pedro.
 É que, aqui no céu, adotamos uma gestão mais profissional do que a de
 vocês lá na Terra...
 - Não entendo!
 
- Explico:
Já ouviu falar de Gestão por Resultados?
 Agora nos orientamos por objetivos e observamos que nos últimos anos, cadavez que tu pregavas, as pessoas dormiam. E cada vez que ela conduzia o
 táxi, as pessoas rezavam!
 - Resultado é o que importa

 
SINAL DOS TEMPOS : ATÉ NO CÉU O QUE INTERESSA É O RESULTADO !!!!

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

A VIDA É UM SHOW FANTÁSTICO



 Olá!
Que saibamos ser gratos para aproveitá-la, sem muitas reclamações ou murmurações.
Sejamos gratos  usufruindo-a, sorvendo-a, até a última gota, com prazer!

Com carinho,
                        Lúcia Barros  




A VIDA É UM SHOW FANTÁSTICO

Você pode ter defeitos, viver ansioso, chorar e ficar irritado algumas vezes, mas não se esqueça de que sua vida é o maior tesouro do mundo.
Só você pode evitar que ela desfaleça.
Lembre-se sempre de que ser feliz não é ter um céu sempre azul, caminhos sem obstáculos, trabalhos sem fadigas, relacionamentos sem decepções.
Ser feliz
É encontrar força no perdão, esperança nas batalhas, segurança no palco do medo, amor mesmo nos desencontros.
Ser feliz
Não é apenas valorizar o sorriso a alegria, mas também refletir sobre a tristeza.
Não é apenas comemorar as vitórias, mas aprender lições nos fracassos.
Não é apenas alegrar-se como os aplausos, mas encontrar alegria na escuridão.
Ser feliz
É reconhecer que vale a pena viver a vida, apesar de todos os desafios, incompreensões nos períodos de crise basta saber aproveitar.
Ser feliz
Não é uma sorte do destino, mas uma conquista de quem sabe viajar para dentro do seu eu interior.
Ser feliz
É deixar de ser vítima ou réu nos problemas, é se tornar o autor da própria história.
Ser feliz
É atravessar desertos, ser capaz de encontrar um oásis escondido em sua alma.
É agradecer a cada manhã pela vida.
Ser feliz
É não ter medo dos próprios sentimentos e saber falar de si mesmo.
É ter coragem para ouvir um… “Não”.
Ser Feliz
É saber receber com segurança uma crítica, mesmo que seja injusta.
É beijar os filhos, é ter momentos poéticos com os amigos, mesmo que eles nos magoem.
É deixar viver a criança que cada um tem dentro de si.
Ser feliz
É saber admitir quando errou e dizer “Eu errei”.
É ser o primeiro a dizer “Me perdoe”
É ter sensibilidade para expressar
“O que você tem mais de profundo no coração”.
É ter capacidade de dizer sem medo “Eu te amo”.
Faça da sua vida um canteiro de oportunidades.
Que nas suas primaveras você seja amante da alegria.
Que nos seus invernos você seja amigo da sabedoria.
E finalmente
Quando você desviar do caminho, comece tudo de novo.
Pois assim você terá cada vez mais amor pela vida e descobrirá que ser feliz não é ter uma vida perfeita.
Mas saber usar suas lágrimas para irrigar a tolerância.
Saber usar suas perdas para polir a paciência.
Saber usar suas falhas para construir a serenidade.
Saber usar sua dor para aumentar o prazer.
Saber usar os obstáculos para abrir as janelas da sabedoria.
Não desista nunca de si mesmo.
Não esqueça nunca as pessoas que te amam.
Não desista nunca de quem te ama.
Não desista nunca de ser feliz, pois…

A VIDA É UM SHOW FANTÁSTICO

(Desconheço o autor, se souber é só falar que os créditos serão acrescentados.)


 

TERNURA








Ternura

Vinícius de Moraes

Eu te peço perdão por te amar de repente
Embora o meu amor
seja uma velha canção nos teus ouvidos
Das horas que passei à sombra dos teus gestos
Bebendo em tua boca o perfume dos sorrisos
Das noites que vivi acalentando
Pela graça indizível
dos teus passos eternamente fugindo
Trago a doçura
dos que aceitam melancolicamente.
E posso te dizer
que o grande afeto que te deixo
Não traz o exaspero das lágrimas
nem a fascinação das promessas
Nem as misteriosas palavras
dos véus da alma...
É um sossego, uma unção,
um transbordamento de carícias
E só te pede que te repouses quieta,
muito quieta
E deixes que as mãos cálidas da noite
encontrem sem fatalidade
o olhar estático da aurora.




terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

SÓ SONHO?



Olá!

O que será?
Utopia?
Idealismo?
Sonho?
Mas, como disse Raul Seixas ou John Lennon, "sonho que se sonha só, é só um sonho que se sonha só, mas sonho que se sonha junto é realidade".
Para ser realidade temos que nos conscientizar e mudar!
Não pode ser só bonito e pronto!
Tem que ser bonito e tornar-se bonito a cada dia, com cada mudança.
Uma nova postura, para que o amanhã seja bonito para todos!
Não precisa ser só um sonho!
 
 
Beijoo para minha querida amiga,  +Ylre Martins , que compartilhou o vídeo.
Obrigada Ylre!
 
Com carinho,
                       Lúcia Barros.





sábado, 16 de fevereiro de 2013

INSTANTES


Olá!

Poema lindo que a minha amiga +Ylre Martins  postou no meu stream, e estou compartilhando com vocês. 
Espero que apreciem!
Na simplicidade, todos sabemos, é onde mora a felicidade na maioria do tempo, mas, complicamos quase tudo e reclamamos. 
Meditar naquilo que já sabemos é bom. 
Aproveitar e viver com mais alegria plenitude, melhor ainda!

Beijo Ylre! Obrigada pelo lindo poema!

Com carinho, 
                    Lúcia Barros




INSTANTES

Don Herold


Se eu pudesse novamente viver a minha vida,
na próxima trataria de cometer mais erros.
Não tentaria ser tão perfeito,
relaxaria mais, seria mais tolo do que tenho sido.
Na verdade, bem poucas coisas levaria a sério.
Seria menos higiênico. Correria mais riscos,
viajaria mais, contemplaria mais entardeceres,
subiria mais montanhas, nadaria mais rios.
Iria a mais lugares onde nunca fui,
tomaria mais sorvetes e menos lentilha,
teria mais problemas reais e menos problemas imaginários.
Eu fui uma dessas pessoas que viveu sensata
e profundamente cada minuto de sua vida;
claro que tive momentos de alegria.
Mas se eu pudesse voltar a viver trataria somente
de ter bons momentos.
Porque se não sabem, disso é feita a vida, só de momentos;
não percam o agora.
Eu era um daqueles que nunca ia
a parte alguma sem um termômetro,
uma bolsa de água quente, um guarda-chuva e um pára-quedas e,
se voltasse a viver, viajaria mais leve.
Se eu pudesse voltar a viver,
começaria a andar descalço no começo da primavera
e continuaria assim até o fim do outono.
Daria mais voltas na minha rua,
contemplaria mais amanheceres e brincaria com mais crianças,
se tivesse outra vez uma vida pela frente.
Mas, já viram, tenho 85 anos e estou morrendo

(Nota: este poema não é de Jorge Luis Borges)
Don Herold

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

MOTEL Pra relaaxaarrrrr!!!!!


 Olá!

É engraçado. 
Parece bobagem.
Só convenções! 
Mas, pode destruir vidas.

Com carinho, 
                         Lúcia Barros

MOTEL  

 Por Luiz Fernando Veríssimo


 Mirtes não se agüentou e contou para a Lurdes: - Viram teu marido e ntrando num motel.

A Lurdes abriu a boca e arregalou os olhos. Ficou assim, uma estátua
de espanto, durante um minuto, um minuto e meio. Depois pediu detalhes.

- Quando? Onde? Com quem?
- Ontem. No Discretissimu's.
- Com quem? Com quem?
- Isso eu não sei.
- Mas como? Era alta? Magra? Loira? Puxava de uma perna?
- Não sei, Lu.
- O Carlos Alberto me paga. Ah, me paga.

Quando o Carlos Alberto chegou em casa e ... Lurdes anunciou que iria deixá-lo. E contou por quê.

- Mas que história é essa, Lurdes? Você sabe quem era a mulher qu e estava comigo no motel. Era você.
- Pois é. Maldita hora em que eu aceitei ir. Discretissimu's! Toda a
cidade ficou sabendo. Ainda bem que não me identificaram.
- Pois então?
- Pois então que eu tenho que deixar você. Não vê? É o que to das as minhas amigas esperam que eu faça. Não sou mulher de ser enganada pelo mar ido e não reagir.
- Mas você não foi enganada. Quem estava comigo era você!
- Mas elas não sabem disso!
- Eu não acredito, Lurdes. Você vai desmanchar nosso casamento por isso? Por uma convenção?
- Vou.

Mais tarde, quando a Lurdes estava saindo de casa, com as malas, o Carl os Alberto a interceptou. Estava sombrio.

- Acabo de receber um telefonema - disse. - Era o Dico.
- O que ele queria?
- Fez mil rodeios, mas acabou me contando. Disse que, como meu amigo, tinha que contar.
- O quê?
- Você foi vista saindo do motel Discretissimu's ontem, com um homem.
- O homem era você.
- Eu sei, mas eu não fui identificado.
- Você não disse que era você?
- O quê? Para que os meus amigos pensem que eu vou a motel com a min ha própria mulher?
- E então?
- Desculpe, Lurdes, mas...
- O quê?
- Vou ter que te dar um tiro.